Imagem

Como ter um ano abundante e próspero

Autor: Ana Caroline Pina

Na virada do ano, cada um segue o seu ritual... uns pulam 7 ondas, outros comem romãs e lentilhas, boa parte das pessoas se vestem de branco e invariavelmente usam uma peça de roupa amarela. Independente dos hábitos de cada um, o desejo de atrair a abundância é unânime!

O que podemos fazer para ter um ano (e uma vida) abundante? Bert Hellinger nos ensinou através das constelações familiares sistêmicas que a maneira como nos relacionamos com nossas mães reflete na maneira com a qual nos relacionamos com a vida. Se rejeitamos a mãe, estamos negando a ascensão profissional e o trabalho, consequentemente, surgem as dificuldades financeiras.

A figura materna é aquela que possui capacidade de gerar e de superar todos os riscos e dificuldades. Uma curiosidade é que as nossas avós nos carregaram no ventre delas! Isso porque um feto feminino já possui todos os óvulos dentro de si. Isso significa que, quando a sua avó carregava a sua mãe no ventre dela, você já era um óvulo dentro do ovário de sua mãe. Agora que você já consegue entender este poderoso vínculo, pense em sua ancestralidade: como é o seu relacionamento com o feminino da sua família? Sua mãe, sua avó... e como era o relacionamento delas com os ancestrais?

Livre de qualquer julgamento, pense se você consegue ver a sua mãe sem expectativas, apenas agradecendo por tudo que ela fez e pelo principal: ter gerado a sua vida! Muito ou pouco, compreenda ela fez o que pôde, sem o intuito de causar dor ou sofrimento. Ela só quis o seu bem e mesmo quando errou, buscava o melhor para você.

Quando reconhecemos, incluímos e agradecemos a mãe, todos os caminhos naturalmente se abrem e estamos prontos para receber a prosperidade, a abundância e o sucesso! Entretanto, este deve ser um movimento da alma, não apenas racional e mecânico. Somente quando a alma é genuinamente liberta do peso, ela é capaz de caminhar com leveza.

Lembre-se sempre: O sucesso vem da energia da mãe e a força da energia do pai.

Reflita: como está o seu relacionamento com a sua mãe e o feminino da sua família, de modo geral, hoje? Quais as suas reivindicações desde a primeira infância, passando pela adolescência até os dias de hoje e quais as reclamações dela sobre você? Quais aspectos agora você é capaz de aceitar e o que você pode fazer para melhorar o relacionamento entre vocês?

O Instituto Laura Grazi deseja a todos um 2020 abundante!